quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Retrospectiva 2009 - Um ano do capeta.

Mimimi 2009, mimimi 2010, mimimi.
Meu ano de 2009 começou uma merda. E não é daquelas merdinhas não, é daquelas que entopem a privada por 3 dias e que fedem por semanas.
Vamos pra tradicional retrospectiva dessa porra de ano exú (se não fosse meu hábito infantil de escrever diários, eu não lembraria de metade das coisas).

JANEIRO: Pé na bunda fenomenal com direito a desequilibrio psicológico. Festa do álcool na casa do Everton onde gastamos 100 dinheiros em bebidas e no fim tava todo mundo muito loko jogado na garagem, e eu oscilava entre felicidade extrema por estar com meus amigos e infelicidade suicida por ter sido tratada igual a cocô por alguém que dizia gostar de mim (ahãm). Passei nos vestibular do Mackenzie e da PUC. No dia 25 eu encontrei Cãmila, minha gata trombadinha da zona leste.

FEVEREIRO:  Descobri que tinha passado na USP e nem fiquei pulando de alegria. Começo de aulas na PUC. Assisti REC com Pri e Linão e foi um dia muito legal. Passei nervoso, pra variar. Comecei a dar brecha pra gente do meu passado voltar, coisa que eu nunca deveria ter feito. Conheci Juana.

MARÇO: Larguei a PUC, coloquei um piercing no septo e mais uma vez briguei feio com a écs #1. Fiz besteiras no corredor do prédio de uma ãmiga.

ABRIL: Fiz vinte anos. Bela porcaria, ainda me sinto com 12 mentalmente. Me caguei todinha SENTIMENTALMENTE FALANDO. Daí teve balada no meu aniversário - nota mental: balada hétero nunca mais - e eu tomei tanta porcaria que acabei gorfando agarrada ao latão de lixo enquanto Fernanda e Juana me seguravam pra eu não cair dentro do dito cujo. Isso sim é amizade, Brasil. Conheci Denis Penis virtualmente. Fui pra virada cultural e nesse dia "meu mundo caiu": minha mãe descobriu tudo o que eu fazia no baile e quase teve um piripaque, eu juro. Ela chegou até a me botar pra fora de casa, mas me aceitou de volta à noite.

MAIO:  Aguentei minha família inteira me olhando torto o mês inteiro. Quase desisti da vida bandida, mas até parece que eu consigo. Passei maio todinho saindo com uma bela mulier. Comecei a boicotar o francês (peguei e me arrependi hoje).  Mais um surto por causa de pessoas, mas esse eu nem fiz questão de chilicar. Surtei com a faculdade também, pensava em largar todo dia.

JUNHO: Comecei a namorar, e pra história ficar um pouco mais esquisita (no meu mundinho particular) foi com um rapaz. E o mais engraçado foi a écs #1 me ligando pra perguntar se ela tinha visto direito que eu tava com um cara. Eu ri. Fui pra Minas Gerais também, e lá tive o maior quebra pau da minha vida com meu pai, a ponto de ameaçá-lo de morte se ele ousasse levantar a mão pra minha mãe. Ele foi escroto e muito me humilhou também, então estamos quites. Fiquei semanas sem falar com ele.

JULHO: Decidi que não trancaria a faculdade porcaria nenhuma porque pelo menos se eu fosse presa poderia ficar numa cela especial. Teve reposição de aula na faculdade pois a USP achou legal fazer greve. Terminei meu namoro achando que estava tudo bem, mas eu bem me conheço e lá fui eu fazer escândalo, pra variar.

AGOSTO: Meu cachorro Jiba morreu e até agora eu não consegui chorar tudo o que era pra chorar. Teve também o churrasco na casa da Aline onde eu tava muito louca de bebida e não lembro de quase nada, só me lembro de estar no meio da rua de moicano e depois estar lavando o cabelo numa pia meio vomitada, e até acho que foi isso que proporcionou o brilho intenso de meus cabelos. Teve um domingo que fui ao Ibira com Paulão e Linão e lá ví Marcos Moreira 24 anos e uma goiaba no lugar das gengivas fazendo um tributo ao sol (tava lá com a bunda seca virada pro sol, acho que tava tentando matar os ácaros do cu). Teve também cachorrada na casa do Vini, a galere toda fazendo festa na Ponte Rasa, e foi nessa festa que Zula deus as caras (interninha). Aproveitei e tive uma tarde só para garotas com Linão e Priscilla e foi um dia muito legal até quando não fazia mais sentido (catuaba).

SETEMBRO: Todas as vezes que fui ao cinema esse ano foi em setembro.

OUTUBRO: Quase fui violentada por uma ãmiga enquanto frangos estavam sendo fritos ao estilo KFC na cozinha da casa de Fernanda. Descobri que não posso ficar bêbada que encosta a pomba gira em mim e eu quero ficar nua (prefiro não me explicar). Linão foi expulsa de casa e eu fui ajudá-la a fazer uma mudança de emergência. Daí eu peguei e fui pra Boiçucanga com Fernanda onde a gente mais caiu do que ficou de pé. Daí me contaram que tinha gente pedindo meu msn por aí e eu já estava louca pra um barraco novo na minha vida (como diria Britney: "another day, another drama) fui e comecei a semear a discórdia.

NOVEMBRO: Tomei uma latada de cerveja na testa e tive que aguentar surto alcoólico enquanto podia estar brincando de reino encantado com a galere (não pergunte). Comecei a trocar emails fervorosamente com uma simpática moça quase vizinha minha. Fui num congresso de jornalismo na USP junto com a Sarah.

DEZEMBRO: Brinquei de gangorra no largo do Arouche com o Vini (dia feliz!) Comi tacos mexicanos. Conheci um cara muito bizarro na lotação. Fui "a outra". Peguei e fui pra Pernambuco com a Fernanda, sem maiores avisos, e lá fiquei conhecida como "Galega" e nada além disso. Conheci um homem que é a cara do Dexter porém mais amorenado. Decorei a letra de Bohemian Rhapsody (algo assim) do Queen. Dormi bêbada na praia e acordei com a frase "ri alto em Recife" tatuada de renna (num sei escrever essa bosta) perto do cofrinho. Fernanda tem uma escrita "muito loca em Pernambuco". Algo me diz que é porque a gente estava rindo muito e celebrando porque enquanto estávamos curtindo o clima úmido, quente e gostoso do litoral nordestino, tinha gente em São Paulo com início de depressão e/ou tendo o pior final de ano de sua vida. Rimos igual Paola Bracho, e enchemos a fuça com coquetéis servidos em abacaxis.Voltei pra São Paulo muito querendo ter ficado por lá e agora vou passar o ano novo na casa do Vini.


Aaaah o verão...

sábado, 12 de dezembro de 2009

Sonhos...

Sonhei com 3 coisas essa noite:

1_ Sonhei que estávamos eu, Aline, Jô e Vinícius numa espécie de casa de praia muito antiga, e Aline estava muito, mas muito bêbada mesmo, com uma garrafa de vodka na mão, e eu e Vinícius fazendo mil peripécias (risos) pra esconder a garrafa dela e a Jô só falando "a Aline bêbada é muito chata". Daí a gente escondia a garrafa no frigobar e a Aline dava maior escândalo e ameaçava tacar a garrafa na nossa cabeça, e a Jô falava "ai, num faz a __________" (nome censurado para evitar maiores tretas desagradáveis.

2_ Sonhei que a barriga do Vinícius inchava, inchava muito. E ele estava ficando com a barriga 3x maior que ele inteiro, até que ele explodiu e um monte daqueles caramelos natalinos em formato de bengala voou pra todo lado.

3_ Sonhei que tinha ficado de encontrar Fernanda na Paulista pra gente ir para o aeroporto de avião, mas ela me deu maior bolo e eu fiquei sozinha no meio da Sé (sim, da Sé) com uma mala gigante e um monte de ciganas querendo me roubar.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Amores breves em transporte coletivo.

Eu estava vindo pra casa no sábado, toda fechadinha no meu mundinho com meus fonezinhos de ouvido, quando entra ele, um rapaz alto, meio loiro, cara de bobo e jeito de que não sabe da onde vem e pra onde vai. Foi amor à primeira vista. Eu, uma menina esquisitinha ouvindo uma cantora sueca toda doce nos ouvidos enquanto ele olhava pela janela com um estojo de violino no colo. Eu já me vi casada com ele, toda hétero, com 2 filhos, 3 gatos, 1 cachorro, uma casa de cerca branca, uma torta de maçã assando no forno. Tudo isso por uma estação. Desci e 5 minutos depois nem lembrava da cara dele.

Tempo total de amor eterno: 5 minutos.

Sonho sonho sonho

Essa noite eu sonhei que estava me mudando e que meu quarto novo era a maior bagunça porque eu teria que dividí-lo com a filha da mulher que trabalha na minha casa. Tinha dois sofás desnecessários, duas camas sendo que a minha era a mais feia e um monte de bagunça alheia lá, e eu lembro de eu chorar e espernear igual uma criancinha mimada porque eu odeio bagunça que não seja minha e porque eu não queria dividir meu quarto de jeito nenhum. E o pior era que a mina tinha mais espaço no meu quarto do que eu mesma. Acordei com raivinha da minha mãe onírica e com medo de ter xingado muito alto enquanto dormia.

domingo, 6 de dezembro de 2009

N.

I was going to figure out the postage and send you my heart for Christmas, but my friends talked me out of it. They said "why would you send her something broken?"

sábado, 5 de dezembro de 2009

"Eu tinha dois hamsters, mas um comeu o outro e depois morreu de solidão."

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

"Watching the days slip by so fast
Knowing our fate has long been cast
Working our fingers to the bone
Cause nobody loves you when you're gone, gone, gone, gone

Coughing up feeling just for you
To find something real to hold on to
But there is a hole inside my heart
Where all of my love comes pouring out"

(Garbage - Nobody loves you)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Having a sense of humor means you don't take things so seriously. It doesn't mean you laugh at what's funny and don't laugh at what isn't. It means you don't get pissed about what is clearly a joke.

Traduzindo:
Ter senso de humor não é rir ou não de uma piada, é não SE OFENDER com alguma coisa que é obviamente uma piada.

Ficadica, Brasil.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Planos para 2010

Clichê, mas todo ano eu faço.

01- Aprender a dirigir.
02- Sobreviver à decida pra Santos de bicicleta que farei com meu irmão.
03- Conseguir cursar Linguística na faculdade (ou inglês, ou sei lá o que eu escolher).
04- Ter um emprego em que meu pagamento combine com minhas compulsões capitalistas.
05- Não adquirir câncer de pele/pulmão.
06- Não desenvolver cirrose.
07- Voltar a morar em minha casinha linda com meu quarto só pra mim.
08- Escrever alguma coisa que preste (tá difícil).
09- Gostar de verdade de alguém (estou há quase um ano sem saber o que é se empolgar com alguém, salvo uma ou duas únicas excessões).
10- Viajar mais para a praia (contradiz o plano 05).
11- Comprar um aparelho de som decente que faça os vizinhos me odiarem.
12- Passar no vestibular de veterinária ou editoração, ainda estou me decidindo (sim, prestarei Fuvest DE NOVO. Letras me cansou e até agora não saquei o porquê de eu ter escolhido este curso).
13- Não matar minha mãe de desgosto.
14- Não perder ninguém que eu ame, seja animal, gente ou planta.
15- Arrumar novos amigos, sem perder os velhos.
16- Guardar dinheiro para meus planos de 2011.
17- Comprar uma máquina fotográfica nova, mais fina e com mais MP, por puro consumismo.
18- Não engravidar nem do espírito santo.
19- Aprender a usar salto alto (me deixa ser mocinha? valeu)
20- Deixar o cabelo crescer até ele bater na minha cintura. Aí eu corto ele de novo e vendo. Cabelo loiro natural é bem cotado no mercado, beijos.
21- Arrancar essas bostas de dentes do cizo/ciso/juízo.
22- Ter um cachorro. Jiba "foi embora" e o cheiro dele está sumindo da roupinha dele que eu guardei (tenho mais amor por animais do que por gente, me deixem).
23- Tatuar minhas costas inteiras (eu gosto).
24- Aumentar minha "biblioteca". Pretendo ler um livro por mês, ou mais.


Esta lista ainda vai aumentar.

sábado, 21 de novembro de 2009

Você percebe que está no meio da Zona Leste quando...

...chega em sua casa e se depara com um cavalo estacionado na garagem do vizinho.

E tenho provas:

Essa é égua da minha vizinha.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Veja o grau de loucura que eu ando atingindo.
Eu estava ouvindo uma música da Feist chamada I feel it all.
Ela canta:
Ooo, I'll be the one who'll break my heart
I'll be the one to hope come
Eu ouço:
Ooo, You'll be the one who'll break my heart
I'll be the one to hold a gun
 
 
This is how I roll.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

I'm a dreamer...

Essa noite sonhei que eu estava andando na rua com a écs #1, que era uma mistura da écs #1 e de uma ãmiga minha, a Xuana, e de repente chegou uma guria com maior cara de demente e meteu-lhe um beijão na boca. Então eu virei pras duas e meti a mãozona no meio só pra atrapalhar mesmo, daí a écs/ãmiga perguntou "ficou com ciúme é?" e eu mandei ela tomar no meio da íris do olho do ânus dela. Nessa parte ela virou somente a écs e eu metí-lhe a mão no focinho e grudei em seus cabelos gritando LOIRA VAGABA, LOIRA VAGABA.

Acordei com espasmos.
Desconfio que estava de fato gritando "loira vagaba".

Mas eu sei porque eu sonhei comigo grudada nos cabelos dela gritando "loira vagaba". Xuana e Vinícius estavam me contando que nesta madrugada de sábado para domingo, alí na frente do prédio da Gazeta aqui na avenida Paulista, um grupinho de adolescentes estava indo/voltando da balada quando estoura uma briga de duas periguetes de chapinha e salto alto. Os amigos da tchurma separam as duas e a morena entra num taxi, bota metade do corpo pra fora do carro e grita "EU ARRANQUEI TEU CABELO, SUA LOIRA VAGABA!"
Freud explica my ass.

sábado, 7 de novembro de 2009

O sonho da noite.

Essa noite eu sonhei que tinha combinado com a écs #1 de ir ao motel comemorar alguma coisa que eu não faço a menor idéia do que era. Fui lá, paguei 40 dinheiros por 3 horas e me pus a esperar. Como ela estava demorando fui ao quarto ao lado, que se transformou na sala do apartamento de Fernanda (sempre ela) e fiquei jogando cartas com ela, Renê e Travesti Nanny. Quando o atraso já passava de uma  hora, liguei pra ela emputecida e falei um monte de desaforo, coisa que tenho anos de prática. Xinguei até a quinta geração da família dela, disse que ela ia me pagar os 40 dinheiros investidos nem que eu tivesse que pegar alguma coisa dela como garantia (essa parte eu aprendi com a Fernanda na vida real, a garota tem talento pra agiota... da onde você acha que veio aquele belíssimo sofá vermelho -chamado carinhosamente de Red Label - na sala dela?). Enfim. Xinguei a moça com todas as palavras de baixão calão que conheço. Lembro de no sonho eu ficar muito chateada de não poder mais ameaçar contar pra família dela que ela é sapatão já que agora ela já se assumiu. Me senti usurpada desse "direito" de ferrar a vida dela. Credo né? Quem vê pensa que sou um mau elemento. Voltando ao sonho, de repente eu estava no quarto dos meus pais da casa em que eu morava antes de mudar pra essa e lá era o quarto dessa écs. Eu peguei uma folha de papel e comecei a escrever um monte de  sandice, e claro que não poderia deixar de chamá-la de puta - não que ela seja puta, mas ela ficava tão ofendida com isso que eu usava de propósito - e ia deixar o bilhete debaixo do travesseiro dela quando a mãe dela entrou no quarto. Então eu amassei o papel e enfiei no bolso e contei pra mãe dela que a filha dela me devia 40 reais do motel e que eu precisava do dinheiro logo porque era o dinheiro da xerox da faculdade. Fomos parar no quarto do meu irmão da casa em que moro agora. Ela pegou a carteira do bolso do vestido e me deu 50 reais dizendo que os 10 que sobrassem era pra eu tomar um sorvete, e se pôs a arrumar o quarto dele.

Daí eu acordei.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

sonhei de novo

Essa noite eu sonhei que eu estava no trem indo pra USP (nem trem eu pego) e tinha alguém danco chilique comigo, então eu dei um perdido na pessoa e acabei chegando na USP, só que eu teria aula dentro do metrô. Daí lá pela estação Barra Funda estava tendo o maior rebuliço, maior vuco-vuco, porque tinha uma banda dando show dentro de um vagão. Fui e entrei no vagão e era a banda Yeah Yeah Yeahs tocando e berrando lá dentro. Lembro que pensei "cadê Vinícius nessa hora?". Daí eu perguntei qualquer coisa pra mocinha que canta e ela gritou "yeah!". Tudo que eu perguntava ela gritava "yeah". Deixei ela falando, ou melhor, berrando sozinha e fui embora.
Acordei e logo em seguida dormi de novo.
Comecei a sonhar com praia. Uma enorme praia e um monte de alemão de sunga branca. Eu e Fernanda - que sempre está presente nos meus sonho mais estranhos - estávamos no meio deles, mas vestidas. Era tipo uma festa e tinha ponche de frutas. Tinha um alemão com cara de porco embaixo de uma faixa que estava escrito algo como "ei garota quer que te chupe com cerejas?" e daí Fernanda disse "olha ele fazendo o krum@ry!" eu olhei e o alemão tinha virado eu imitando o ex namorado de Xena.
Acordei de novo. E dessa vez nem dormi em seguida.



Ah sim, sonhei com mais uma coisa no meio da noite e que só lembrei agora.
Sonhei que sabia dirigir e que eu tinha um Peugeot 207 prata lindo de morrer. Daí eu estava indo embora da casa onde eu morava com mais um monte de gente desconhecida, e lembro de estar tacando um monte de coisa no porta-malas: cadernos, livros, xerox das coisas da faculdade, um notebook, uma bicicleta (no meu sonho cabia), tudo isso. Estava chovendo torrencialmente e assim eu fui-me embora, belíssima do meu Peugeot. Foi o primeiro sonho em que eu dirigia sem bater o carro. Mas, pra variar, estava "fugindo". É sempre assim, ou eu bato o carro ou estou fugindo de algo ou alguém.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Sonho, sonho, sonho.

Essa noite eu sonhei com a Lady Gaga. Sonhei que perguntava pra ela se ela era mesmo hermafrodita e seu eu podia pegar no pintinho dela. Daí começou a tocar "Just Dance" e eu acordei, porque este é o toque do meu despertador.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Tcheu contar meu sonho dessa noite.

Eu sonhei que estava numa rua perto de casa, andando toda abraçada com a Gwen Stefany (a vocalista do No Doubt, e tenho a impressão que escrevi o nome dela errado). A gente estava toda namorandinha. Aí passamos na frente de uma casa e tchans! Era um churrasco e meu primo (aquele que faz engenharia na Poli) e a mãe dele estavam sentados lá bebendo cerveja. Daí minha tia olhou pra mim, eu olhei pra ela, nós nos olhamos, e ela disse "se é isso que te faz feliz, vai fundo".

Então eu acordei.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Meu professor hoje:
-Quem faz medicina vira médico, quem faz engenharia vira engenheiro, e quem faz letras vira o quê? Letrado? Diploma de letras serve pra que, afinal?
Todos:
-...
Eu, em pensamento:
-Pra ficar numa cela especial quando for preso.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Sonhos, sonhos, sonhos.

Hoje de manhã, logo depois ter acordado e percebido que eu desmaiaria na rua se me arriscasse a sair de casa, deitei e fui estudar linguística, já que não poderia ir à aula. Acabei dormindo com o livro em cima do focinho e meu óculos quase cortou o nariz.

Sei que sonhei que, novamente, estava na minha faculdade, mas a minha faculdade não era a minha faculdade, era um galpão cheio de escadarias e salas e quartos. Daí eu estava conversando com uma guria da faculdade que era uma mistura fisica e mentalmente de duas amigas da falecida #1. Daí ela estava me puxando pela mão pra um lugar lá porque ela queria me mostrar algo, mas eu saquei, com toda a minha SAGACIDADE (atóron essa palavra), que ela queria me usar e me abusar. Então apareceu uma ãmiga minha e fez o maior escândalo falando que eu era uma biscate puta vagabunda porque enrolo ela e ao mesmo tempo caio na Sodoma e Gomorra com as cocotas por aí. Foi quando deixei ela falando sozinha porque, no sonho, eu não estava a fim de ouvir sandice alheia, e fui me encontrar com a primeira menina de novo. Nos encontramos perto do ponto de ônibus da minha faculdade (que agora sim parecia a minha faculdade) e ficamos tomando suco de limão.

De endi.

domingo, 18 de outubro de 2009

Sonho.

Este post foi apagado em setembro/2016 por motivos de: não tem necessidade disto estar na internet.

Nos desculpamos pelo inconveniente, só que não.

sábado, 17 de outubro de 2009

Onírico.

Essa noite eu sonhei que estava cortando as unhas da minha gata. De repente eu estava cagando no banheiro do metrô Guilhermina-Esperança, e quando eu olhava pra privada meu cocô era uma bexigona marrom cheia d'água. Então eu sonhei que estava andando junto com uma menina da faculdade, e o impressionante é que eu nunca troquei uma palavra com ela. Spnhei que a gente estava em algum metrô da linha azul e estávamos indo pra casa dela. Daí, para fazer baldeação e pegar um trem, a gente tinha que pular uma grade de um hotel/motel, só que os funcionários do ambiente não deixavam a gente sair de lá por nada sem ter que pagar a pernoite. Daí a gente pulou a cama e pulou a muretinha enquanto eles se distraiam com alguma bobeira. De repente eu estava em outro quarto de motel/hotel, só que dessa vez com um velho pançudo pelado. Ele dizia que pra eu sair de lá ele tinha que fazer uns testes. Daí ele pegou um coador de café e encapou o bingulinho dele, e o bingulinho dele virou uma daquelas bombas de por gasolina. Daí ele disse pra eu segurar enquanto ele fazia o teste. Daí o velho pançudo foi e comeu a minha mão usando um filtro de café como camisinha. Então ele disse que não deu certo, e começou a procurar alguma coisa debaixo dos sofás que tinha naquele quarto, que foi quando eu me dei conta que este quarto era o quarto avulso que tinha na casa que eu morava na Penha, antes de morar aqui onde eu moro. Daí eu acordei com nojo do velho pançudo, e cortei as unhas da minha gata.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Essa noite eu sonhei que eu estava num ônibus, olhando pela janela. Olhei para dento de um carro e ví um homem com jeito de caipira americano da década de 90 com um monitor de computador no colo e ele escrevendo alguma besteira no Twitter.

Aliás, twitter.
Coisa mais inútil.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

My fair lady - A vendedora de flores.

Existe um filme chamado "My fair lady" (de 1964), que tem como atriz principal Audrey Hepburn. O filme é baseado numa peça teatral da Broadway. Resumindo bem mal e porcamente a história, trata-se de um professor, desconfio que de etiqueta, chamado Henry Higgins, faz uma aposta com o Coronel Pickering de que ele (Henry) conseguiria fazer qualquer mulher falar tão bem que ela se passaria por uma duquesa. Uma mulher escuta a conversa dos dois e vai atrás do professor, essa mulher é Eliza Doolittle (a Audrey), uma mulher que vende flores na rua com um sotaque estranho, gírias no modo de falar , quase uma mina-mano da zona leste (brinks, nem tanto). Ela oferece alguns trocados em troca de aulas para que ela possa falar direito e trabalhar numa floricultura, mas o profesor acaba dando as aulas na faixa. Abrindo uma observação aqui, meu professor de literários estava falando esses dias sobre o princípio da segunda natureza (ou complexo de Sinhá Moça, tão meiga que nem parece nascida nesse lugar), que segundo as minhas anotações da aula, trata-se de uma coisa que "apesar de não ser natural, é natural", ou seja, uma coisa que você pensa que é natural mas na verdade não é, são somente convenções. Um exemplo disso é o fato de você usar roupas. Parece natural que você use roupas, mas na verdade não é, tanto que o ser humano nasce pelado. Usamos roupas apenas porque a sociedade e mimimi mimimi convencionou que é assim que deve ser. É o mesmo que acontece na história do filme, a florista é tão treinada para falar bonitinho que parece que já nasceu assim, quando todo mundo sabe do passado mulambento dela.

Pois bem, ditas as informações acima, aposto que algumas pessoas que nunca viram o tal filme mas que assistiam SBT à tarde reconheceram a história. Acontece que Chespirito, o cara que fazia Chapolin e também o Chaves, fez um episódio contando a história deste filme, e foi exibido no SBT e eu me lembro de eu ser uma criança catarrenta e assistir este episódio.
Já disse uma vez e reafirmo: Chaves e Chapolin Colorado são cultura fina.





quinta-feira, 1 de outubro de 2009

"Amai o próximo como a si mesmo".
Mas e se eu não gostar de mim?

"Pois se o eu é odioso, amar ao próximo como a si mesmo torna-se uma atroz ironia."
-P. Valéry

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Pesadelei legal.

Deitei debaixo das cobertas para tentar estudar para a minha prova fodedora de amanhã e começo a sonhar um monte de coisa desagradável. Ontem eu já tinha sonhado com a falecida #2, hoje sonhei com ela de novo. Sonhei que ela estava se casando. Acordei transtornada, porque o noivo dela é gay na vida real, e gay por gay... enfim, 'xa pra lá. Sonhei que estávamos na praia, e a casa de praia era a casa antiga onde eu morava, e estávamos nós 3 sentados num murinho que tinha no jardim, daí o novio dela foi buscar num sei o quê na cozinha e ela perguntou o que eu achava disso, no que eu respondí "Por mais enciumada e transtornada que eu fique com essa história, sempre soube que era dele que você gostava. Se isso te faz feliz, vai em frente. I just want to see you happy. Mas era pra ser eu no lugar dele". Ela fez cara de paisagem e foi se vestir para o matrimônio. Um vestido branco lindo, aliás. E o noivo estava de terno e bermuda, achei engraçado. Depois que eles casaram (meu sonho cortou a parte chata) sonhei que tacavam o bolo inteiro na cara da noivo e depois tacavam ele na piscina ao sim de trombetas marrons. Lembro que eu estava causando um mal estar geral em meio à família dela pois, afinal, eu fazia parte de um pedaço do passado dela que ninguém queria lembrar: que ela já se deitou com uma mulher. Lembro de no sonho abrir o orkut e ter um scrap revoltoso da Fernanda que dizia "esse povo namora 1 mês e já tá casando, se eu pego esses dois eu transformo em ração de gato".
Então eu acordei.

sábado, 12 de setembro de 2009

Para os que esperam cartas (Fernanda Young)

Oi, tudo bom? Infelizmente, esta carta não é de quem você esperava. Mas, como eu sei direitinho como você se sente, talvez traga boas notícias.
Olha, desculpa minha sinceridade, mas a vida é muito curta para fi car aguardando pelos outros. Se quem você aguarda realmente se importasse com você, já teria dado algum sinal de vida. Parta para outra.
Já reparou numa certa pessoa que você conhece e tem uma quedinha por você? Não posso dizer quem é, mas pode ser alguém que trabalha do seu lado ou que mora perto da sua casa ou que freqüenta um mesmo lugar. Sei que se trata de uma pessoa bem legal, vale a pena procurar saber quem é.
Fique de olho, tem um monte de gente reparando em suas qualidades. Aposto que, se você olhar em volta, neste instante, tem alguém olhando disfarçadamente para você. Pode não ser o seu tipo, mas já é uma dose de auto-estima, substância da qual você carece.
A verdade é que, enquanto você estiver assim, nessa interminável agonia, esperando notícias que nunca chegam, vai deixar passar várias possibilidades interessantes ao seu redor. Claro, ninguém se compara a quem você aguarda, mas quem você aguarda não está disponível no momento. Poderá, inclusive, nunca estar, apesar de tudo o que foi dito naquele dia. Pessoas que somem não são confi áveis.
E, mesmo que você tenha certeza absoluta de que não se trata de desprezo, que deve ter acontecido alguma coisa, que esse sumiço tem alguma explicação, não adianta nada você fi car aí esperando. Corroer-se de ansiedade não vai apressar a resolução do problema, seja ele qual for. Então, desencana.
Dá uma esquecida desse assunto, tenta focar as energias naquilo que depende da sua vontade. Caso seja necessário, para tirar de vez essa história da cabeça, mande você uma carta esculhambando e colocando um ponto fi nal na questão.
O fato é que não dá para você continuar assim, desse jeito. Está todo mundo comentando.
Ninguém tem coragem de dizer isso para você, mas todos concordam comigo. Já chega.
Além do mais, se for para ser, será. Um dia, quando você menos espera, pinta um reencontro, sei lá. Mas até esse possível reencontro fica mais difícil se você não se abrir de novo para o lado inesperado da vida.
E, cá entre nós, se a pessoa que você aguarda é quem eu estou pensando, também não é nenhuma belezura assim. Você arruma coisa melhor.
Mande notícias, ficarei aguardando.