quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Pesadelei legal.

Deitei debaixo das cobertas para tentar estudar para a minha prova fodedora de amanhã e começo a sonhar um monte de coisa desagradável. Ontem eu já tinha sonhado com a falecida #2, hoje sonhei com ela de novo. Sonhei que ela estava se casando. Acordei transtornada, porque o noivo dela é gay na vida real, e gay por gay... enfim, 'xa pra lá. Sonhei que estávamos na praia, e a casa de praia era a casa antiga onde eu morava, e estávamos nós 3 sentados num murinho que tinha no jardim, daí o novio dela foi buscar num sei o quê na cozinha e ela perguntou o que eu achava disso, no que eu respondí "Por mais enciumada e transtornada que eu fique com essa história, sempre soube que era dele que você gostava. Se isso te faz feliz, vai em frente. I just want to see you happy. Mas era pra ser eu no lugar dele". Ela fez cara de paisagem e foi se vestir para o matrimônio. Um vestido branco lindo, aliás. E o noivo estava de terno e bermuda, achei engraçado. Depois que eles casaram (meu sonho cortou a parte chata) sonhei que tacavam o bolo inteiro na cara da noivo e depois tacavam ele na piscina ao sim de trombetas marrons. Lembro que eu estava causando um mal estar geral em meio à família dela pois, afinal, eu fazia parte de um pedaço do passado dela que ninguém queria lembrar: que ela já se deitou com uma mulher. Lembro de no sonho abrir o orkut e ter um scrap revoltoso da Fernanda que dizia "esse povo namora 1 mês e já tá casando, se eu pego esses dois eu transformo em ração de gato".
Então eu acordei.

sábado, 12 de setembro de 2009

Para os que esperam cartas (Fernanda Young)

Oi, tudo bom? Infelizmente, esta carta não é de quem você esperava. Mas, como eu sei direitinho como você se sente, talvez traga boas notícias.
Olha, desculpa minha sinceridade, mas a vida é muito curta para fi car aguardando pelos outros. Se quem você aguarda realmente se importasse com você, já teria dado algum sinal de vida. Parta para outra.
Já reparou numa certa pessoa que você conhece e tem uma quedinha por você? Não posso dizer quem é, mas pode ser alguém que trabalha do seu lado ou que mora perto da sua casa ou que freqüenta um mesmo lugar. Sei que se trata de uma pessoa bem legal, vale a pena procurar saber quem é.
Fique de olho, tem um monte de gente reparando em suas qualidades. Aposto que, se você olhar em volta, neste instante, tem alguém olhando disfarçadamente para você. Pode não ser o seu tipo, mas já é uma dose de auto-estima, substância da qual você carece.
A verdade é que, enquanto você estiver assim, nessa interminável agonia, esperando notícias que nunca chegam, vai deixar passar várias possibilidades interessantes ao seu redor. Claro, ninguém se compara a quem você aguarda, mas quem você aguarda não está disponível no momento. Poderá, inclusive, nunca estar, apesar de tudo o que foi dito naquele dia. Pessoas que somem não são confi áveis.
E, mesmo que você tenha certeza absoluta de que não se trata de desprezo, que deve ter acontecido alguma coisa, que esse sumiço tem alguma explicação, não adianta nada você fi car aí esperando. Corroer-se de ansiedade não vai apressar a resolução do problema, seja ele qual for. Então, desencana.
Dá uma esquecida desse assunto, tenta focar as energias naquilo que depende da sua vontade. Caso seja necessário, para tirar de vez essa história da cabeça, mande você uma carta esculhambando e colocando um ponto fi nal na questão.
O fato é que não dá para você continuar assim, desse jeito. Está todo mundo comentando.
Ninguém tem coragem de dizer isso para você, mas todos concordam comigo. Já chega.
Além do mais, se for para ser, será. Um dia, quando você menos espera, pinta um reencontro, sei lá. Mas até esse possível reencontro fica mais difícil se você não se abrir de novo para o lado inesperado da vida.
E, cá entre nós, se a pessoa que você aguarda é quem eu estou pensando, também não é nenhuma belezura assim. Você arruma coisa melhor.
Mande notícias, ficarei aguardando.