domingo, 18 de abril de 2010

SONHEI QUE

eu sonhei que eu estava na antiga casa onde eu morava na Penha e lá estava cheio de mendigos fedorentos, tinha um até com uma unha do dedão da mão que tinha cerca de 4 centímetros, e era amarela com graxa. Daí eu entrei no banco Itaú que tinha na minha garagem (aff) e tava cheio de mendigos na porta. Então o Vinícius (surgiu do nada) falou que tinha uma garrafa de pinga e me deu pra beber, aí eu bebi tudo de um gole só e disse que não daria nem uma gota pro santo (que, no meu sonho, era o Zé Pilintra). Aí do nada os mendigos começam a cair pelo chão e falar em línguas, e o Vinícius me diz com a maior voz gultural "é porque você não deu o gole do santo". Daí o Everton aparece do nada e pede as botinas dele antes qu algum mendigo resolve se apossar delas,e o mendigo da unha enorme do dedão entrega as botinas dele. Daí eu pego outra garrafa de cachaça e a Fernananda, que também surge do nada, me diz para não esquecer o do santo. Pegoa  garrafa e viro no meu corpo inteiro e bebo o que sobrou.
Daí não sei porque comecei a sonhar com as palavras BALNEÁRIO CAMBORIÚ e v[arias palmeiras entalhadas na madeira que, na verdade, eram vários pênis disfarçados e eu SABIA que era obra ou da Aline ou da Paula.

Aí eu acordei.

Um comentário:

Ella disse...

HUAHOIUHSOUHAOIHIOAHIAUOHAHSOIHAOIHAIOSHAOISHOIHS
Tá pior que a minha gata, a Gadernal.

Beijo