sábado, 22 de outubro de 2011

Sonho.

Essa noite sonhei que eu estava nas redondezas do metrô Itaquera dentro de uma lotação. Só que a lotação ainda ia demorar, então pedi um cigarro de maracujá (?) pra Fernanda e fui fumar lá fora. Só que o cigarro não era um cigarro, era um potinho de danone de maracujá. aí eu fiquei lá comendo o doce e de repente todos os meus amigos estavam lá comigo e eu estava fazendo todos eles experimentarem meu cigarro - no sonho eu falava que era o melhor cigaroo que eu já tinha fumado. Aí do nada a Triscilla vira e me diz "sabe porque isso aqui não faz sentido? Porque é tudo um sonho!" e de repente todos eles falavam coisas do tipo, me alertando que era tudo um sonho. aí eu acordei.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Sabe.
Acho que não sei lidar muito bem com perdas.
Tenho sonhado muito com meu avô ainda, e às vezes eu esqueço de que essa saudade toda só tende a aumentar porque não tenho como matar a saudade dele.
Esses dias aconteceu de novo. Passou um carro por mim igualzinho o que ele tinha. Eu pensei comigo "será que é o nonno?". aí eu lembrei que não. Não era. Não tem como.
Aí que eu fui na casa dele esses dias. O sofá que ele costumava ficar deitado estava vazio. Por dois segundos pensei "acho que ele está no quarto". Não. Não tem como.

Eu sei que faz parte da vida morrer e tal. Mas sei lá, é complicado pra quem fica.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Eu não sabia que era triste porque até então eu não tinha uma boa noção do que era ser feliz de verdade.