quinta-feira, 22 de março de 2012

Sonho semi lúcido

Tarra aqui no trabalho (cheguei só 3 minutos atrasada hoje, veja que errado) e meio que comecei a dormir sem dormir completamente. Comecei a sonhar. Foi estranho, parecia que estavam botando fogo nas minhas orelhas de dentro pra fora, e comecei a ouvir como se muita gente falasse ao mesmo tempo. Nisso, uma única voz se destacou, era uma voz de mulher velha, e ela me perguntou alguma coisa que eu já esqueci.
Ontem à noite eu sonhei que estava sendo assaltada por ninguém menos que ZÉ RAMALHO de óculos escuros e cabelos soltos. Sexy. E isso era dentro do metrô, e eu fugia dele e do comparsa, eu corria pelos trilhos até uma estação que não existe mas que eu já sonhei algumas outras vezes. Essa estação fica perto de uma cidade fria, perto de uma USP imaginária e perto de uma favela de madeira que funciona como desmanche de caminhões. Todos esses lugares existem na minha cabeça e nos meus sonhos. É como se eu tivesse uma cidade inteira projetada na minha mente. Agora imagine minha reação ao assistir Inception.
Esqueci o objetivo de ter começado esse assunto.

PS: Lembrei de Fernanda, minha ãmiga, que uma vez sonhou que fazia sexo com Paola Bracho e que esta tinha um pênis de cachorro.
Um dia escreverei um livro sobre Fernananananda.

2 comentários:

Sandra Paula disse...

Se fosse instituido esse negócio de marcar horário aqui na repartição onde trabalho, tem gente que não ia receber salário no final do mês...

Larissa Bello disse...

Pelo visto essa coisa de sonhos bizarros é genético. "Êêê êô, vida de gado..." Agora sempre que ouvir Zé Ramalho, vou imaginar ele te assaltando. Hahahahaha...