quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Não sei se são os remedinhos pra cabeça ou se a estafa de trabalhar e estudar que me fez parar de me importar com muita coisa, mas me foi apontado que tem alguma coisa errada comigo pois tem quatro moscas mortas no meu quarto e mais uns 7 mosquitinhos mortos acumulados no chão e eu não tenho força nem energia pra  recolher.
...
...

Ao escrever isso, percebi que é nojeira demais, levantei e fui limpar porque pelo menos ainda tenho vergonha na cara.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Uma pergunta muito importante

Você considera Hot Dog um sanduíche? Por quê?

Nenhum título


Essa sou eu hoje.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Um sonho violento e um sonho nojento.

Essa noite tive um sonho bem esquisito.
Sonhei que estava dormindo na cobertura de um prédio. Não num quarto nem em uma cama, mas na cobertura de um prédio comercial bem alto, debaixo de uma espécie de marquise, usando um papelão de colchão e um cobertor verde pra me cobrir. Junto de mim estava uma velha que queria roubar meu cobertor porque, segundo ela, eu estava na rua porque queria e não porque precisava. Ela pegava meu cobertor e puxava pra ela e eu gritava bem brava "devolve o meu coberto, véia desgraçada", e ela "pra que você quer ele?" e eu "porque eu tô com frio, demônio". Quando ela se enrolou na minha coberta, eu catei velha, cobertor e tudo, e pendurei do parapeito da cobertura, e a velha ficou pendurada pelos pulsos enrolados na coberta. Eu olhava a velha chorando pedindo pra não morrer e observava as pessoas passando lá em baixo, bem pequenas. Lembro de ter pensado "mato essa velha folgada ou não?".
Não matei, puxei ela de volta e ela me devolveu meu cobertor verde.
Na cena seguinte deste sonho, eu estava tentando descer desse prédio sem ser vista, pegando escadas de incêndio pra tentar escapar de lá ilesa. Consegui sair por uma porta que dava num quintal de terra cheio de galinhas e ovos.
Aí acordei.


Noite passada eu sonhei que estava em um lugar que parecia um corredor, algum pedaço de estação de metrô e um uma parte da minha casa, tudo misturado. Sonhei que tinha um monte de gente indo na mesma direção que eu, quase em fila. Só que eu ia meio que escalando as paredes pra não ter que pisar no chão pois o chão estava coberto de ratos, baratas e aranhas, vivos e mortos (pisoteados), e sangue. Era bem nojento, e eu ficava com muito nojo de pisar alí e, principalmente, de acabar caindo no meio da nojeira toda e acabar pisoteada. Lembro que minha namorada estava junto e eu fazia de tudo pra ela não olhar pra baixo e não cair. A gente tinha que sair dalí.
Aí eu acordei.

domingo, 25 de setembro de 2016

Esses dias eu tava de boa em casa e resolvi dar aquela stalkeada marota numa ex tão ex que as vezes eu até me questiono se ela aconteceu na minha vida mesmo ou se eu apenas delirei. Descobri que esta ex casou há 15 dias com o primeiro namorado dela de épocas do colegial. Véu, grinalda, bolo, festividades e etc etc felicidades aos pombinhos, desejo tudo de bom.
Mas aí eu fui no banheiro dar uma cagada e me peguei cantarolando Gian e Giovani:
"O tempo passou e eu sofri calado
Não deu pra tirar ela do pensamento
Eu ia dizer que estava apaixonado
Recebi o convite do seu casamento
Com letras douradas num papel bonito
Chorei de emoção quando acabei de ler
Num cantinjo rabiscado no verso
Ela disse 'meu amor eu confesso
Estou casando mas o grande amor
Da minha vida é você"

Ri sozinha enquanto dava a descarga.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Estava aqui fuçando a pasta de "coisas que eu salvo para ler depois mas nunca leio" que tenho no computador e achei um negócio sobre reconhecer crianças vítimas de abuso sexual através de sua arte (se alguém quiser este texto, está em inglês, me manda seu e-mail que eu te envio) e bem, no texto fala que alguns sinais do comportamento da criança são indicativos de abuso. Um destes comportamentos é tocar partes inapropriadas dos coleguinhas e, relacionado a isto, o texto contava o caso de uma garota de 9 anos de idade que sempre exibia suas partes para os coleguinhas (no texto, ela era abusada pelo pai e acabava abusando do irmão de 5 anos).
Enfim, ao ler esta parte, tive um flash-back.

1995.
Pré-escola.
Tinha uma menina na minha sala chamada Regina. Regina mostrava pra sala toda o que ela tinha. Você falava "mostra a bunda", ela mostrava. Você falava "mostra a periquita" e ela mostrava. Eu lembro de um dia muito particular em que a vi fazendo isso em plena aula, e os moleques da sala (tudo com seis anos de idade) falando pra ela mostrar X parte e ela abaixando a calça e mostrando.
Não me lembro direito o que aconteceu depois, lembro que a professora percebeu o que acontecia. Lembro que a guria desapareceu da escola por um tempo e não lembro se ela voltou algum dia, deve ter voltado.

Será?

sábado, 3 de setembro de 2016

Tava dormindo e sonhei que pegava um busao com um monte de subxelevridade queja gravou pelo menos 01 Cd na vida. Ai nao sei o que um deles lá falava "ai pq eu nao sei cantar" e eu perguntava "tai, voce SAAAABE que nao canra e mesmo assim quer ir lá e gravar um Cd?? Pra que? Por qie? Faz igual o ari toledo, q queria gravar um cf mas nao sabia cabtar, aibfoi e gravou um de piada".
Fim

terça-feira, 28 de junho de 2016

Eu consegui vencer mais um semestre de faculdade sem perder a dignidade e a sanidade, porém perdi muito cabelo.


Prefiria o cabelo. Dane-se a dignidade, ninguém paga minhas contas.

quarta-feira, 30 de março de 2016

Uma existência que pode ser porcamente resumida em:
- ter alucinações com animais e insetos, eventualmente pessoas e marcar psicologa, neurologista e uma palavrinha com o homem do centro espírita.

Nunca se sabe.

quinta-feira, 24 de março de 2016

terça-feira, 22 de março de 2016

sapatilha de cu é rola.

abro o facebook e: "Eu vejo a pessoa no metro de meia calça fio 40 na cor preta e sapatilha dourada amarrada no tornozelo e só consigo pensar: amiga, não, simplesmente não."
Tu é consultora de moda agora, sua retardada? Tu apresenta Esquadrão da Moda por acaso? Cê é a dona da verdade da indústria de têxtil e moda? Não. Você é só uma ridícula com acesso à internet que se acha superior aos outros por causa de meia dúzia de pano hiper faturado enrolado no corpo, sua cretina. Uma Constanza Pascolato made in Penha. Se fossem fazer um filme sobre você, seria "O diabo calça Melissa". Otária.
A menina tá meio zoada com a meia preta e a sapatilha dourada? Sei lá, foda-se. Enfia no cu a sapatilha se te incomodou tanto. Deixa a desgraça lá com a roupa dela e vai cuidar da tua vida.
Vai te fudê.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Sonhos

Neste fim de semana eu sonhei com uma pessoa que costumava ser uma amiga. Sonhei que a encontrava porque estávamos indo à uma festa num condomínio chique. Estávamos bem vestidas e tal, só que essa amiga, Fernanda, me apareceu nada menos com uma cabra numa coleira. "Fernanda, mas DE NOVO essa cabra?". "Aff deixa a bichinha" disse ela. Chegamos no apartamento da pessoa que estava dando a festa e ela soltou a cabra, que entrou saltitando no apartamento, sendo prontamente agarrada por uma garota que eu não conheço, que finalizou a cabra no chão dando um golpe de luta livre (sabe, levantando a cabra e tacando no chão). A cabra levantou e continuou pulando nos sofás e eu acordei rindo do diabo da cabra.

Essa noite sonhei que eu era amicíssima de Kim Kardashian.Sonhei trocávamos longas conversas e ela me contava que estava de saco cheio das papagaiadas do Kanye West, não aguentava mais ele se achando o próximo Jesus e que só não se separava porque a pequena North gostava muito do pai.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Apreciação de contrato.

Sempre que me deparo com situações contratuais e escuto aquela frase "agora o contrato vai para a apreciação" eu imagino uns ómi de terno cinza em volta de uma mesa, todos aplaudindo o contrato, alguns comentando "nossa mas esse contrato aé formidável mesmo", "esse contrato aqui é magnífico, parabéns", "este contrato harmoniza muito bem com um vinho tinto Cabernet da safra de 1999", outros olhando para o contrato e admirando como quem admira a Monalisa, alguns  tirando fotos, essas coisas.

09032016

Minha aula hoje começaria apenas 21h, então resolvi que encontraria a pessoa amada no shopping perto da faculdade pra aproveitar melhor o tempo livre. Fomos na loja Americanas olhar o preço dos ovos de Páscoa para podermos  reclamar como duas velhas e tal. Minha pessoa amada me fez rir de umas piadas e tal, dei gostosas gargalhadas de coisas que ela falava e tal.
It was all fun and games até que no meio de todos aqueles ovos enormes  caros de marcas famosas, eu vi um ovinho de menos de 100 gramas, de uma marca genérica, bem pobrinho e com embalagem vermelha simples. E na frente desse ovinho eu, marmanja de quase 27 anos, segurei forte o choro.

Veja bem, meus avós maternos nunca tiveram muito dinheiro, sempre foram pobrinhos, mas nas datas comemorativas eles  nunquinha deixavam passar em branco para os netos. Na época da Páscoa eles sempre mandavam ovinhos simples, baratinhos, genéricos ou sem marcas, daqueles que só não eram ruins porque o amor com que foram ofertados fazia toda a diferença. Pois bem. Ver aquele ovinho pobrinho nas Americanas foi um soco no meu estômago e a idéia de que eu não ganharei mais nenhum ovinho ruinzinho dos meus avós este ano me doeu a alma porque eu não tenho mais meus avós. Eles não estão mais comigo. Eu nunca mais vou vê-los.
A falta deles, sendo lembrada assim sem avisos, sendo esfregada na minha cara por um ovo de chocolate.
Que saudade dos meus velhinhos. E que gratidão por cada ovo de chocolate baratinho que me enviaram durante os 24/25 anos em que pude tê-los em minha vida.

terça-feira, 8 de março de 2016


Acordar cedo, ir trabalhar, trabalhar, almoçar, trabalhar, ir pra aula, assistir aula, fazer uma pá de conta doida, voltar pra casa a tempo somente de tomar banho e dormir, dormir umas 5 ou 6 horas por noite todos os dias da semana. Fim de semana acordar num horário razoável mas perder o sábado todo numa aula que começa 13h porque a faculdade não tem competência de montar um horário que faça sentido.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.
Repete.

Féria não vai rolar em julho porque a encostada da colega de trabalho da pessoa amada resolveu marcar pra julho só pra foder com os outros, maldita desgraçada comedora de bolo. Tomara que engasgue. Vaca desgraçada. Bolota de rancor e má vontade.


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

mal chego nessa espelunca e já me vem colega de trabalho querendo mostrar proatividade pro meu lado, miga eu não poderia me importar menos com o trabalho alheio, eu não dou a mínima, minha única pró atividade se resume em chegar aqui no horário e mesmo assim eu falho miseravelmente pelo menos 2 vezes na semana, você acha mesmo que eu vou me importar com qualquer outra coisa?
aff tá incomodada, levanta e faz, não fica contando com minha boa vontade porque ela se perdeu no mundo tem muitos anos e nunca achou o caminho de volta pra casa.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016


hoje eu estava passando as fotos das minhas férias pro meu pen drive de fotos e aproveitei pra olhar fotos antigas.

a fase que eu comecei a ficar menos sorridente nas fotos, a fazer menos caretas e a parecer cada vez mais infeliz miserável coincide com dois períodos concomitantes da minha vida: meu primeiro pé na bunda devastador de alma e meu primeiro emprego de 44 horas semanais incluindo trabalhar aos sábados.

ambos em 2008.

coincidência? creio que não.